sábado, 30 de abril de 2011



Minha vida mudou muito nos últimos anos. Eu mudei muito nos últimos anos. Mudei sem oferecer a menor resistência. Mudei sem me surpreender com as mudanças. Elas simplesmente apareceram, aconteceram, me invadiram e se instalaram. Então, eu finalmente me senti em casa dentro de mim mesmo. E hoje, mais do que nunca, sinto que não devo nada para ninguém. A gente demora demais para se livrar de pesos e culpas. Mas um dia, finalmente, a gente acorda. E descobre que tem uma vida inteirinha pela frente.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

O Tempo



A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa. Quando se vê, já são seis horas! Quando de vê, já é sexta-feira! Quando se vê, já é natal... Quando se vê, já terminou o ano... Quando se vê perdemos o amor da nossa vida. Quando se vê passaram 50 anos! Agora é tarde demais para ser reprovado... Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio. Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas... Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo... E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo. Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz. A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará.

Mário Quintana

quarta-feira, 27 de abril de 2011

terça-feira, 26 de abril de 2011


Espero que o meu carinho seja motivo de muita alegria, perco quantas vezes em um dia quero te encontrar.
Sei que eu sou agoniado a minha dor é de esperar!

segunda-feira, 25 de abril de 2011


Eu ando me perguntando, até onde vai o egoísmo humano ?
Nunca queremos nos desprendermos daquilo que não é mais nosso, e que talvez nos mesmos dissemos com todas as palavras: NÃO EXISTE MAIS NÓS DOIS!
E o tempo vai passando e você se pergunta “se é amor”.
Mas como o coração pode brincar tanto com a gente ?
“Eu já tenho um novo alguém comigo” “isso não é possível”
Passa dias sem dormir, você vê que ainda existe algum sentimento, e vai tentar correr atrás do que não tem certeza que ainda é seu, “será que ainda me ama?” talvez ame, mais tá um amor tão machucado, batido, sofrido. Que não vale a pena trocar o amor novo, por esse que já  foi tão escravizado.

Marcelo Carlos.

sexta-feira, 22 de abril de 2011


Hoje não somos os mesmos, mas somos mais juntos. Sabemos mais uns dos outros, e por esse motivo, dizer adeus se torna difícil. Digamos então, que nada se perderá, pelo menos dentro da gente.

quinta-feira, 21 de abril de 2011


Fim de tarde frio, uma boa música, amor guardado no coração, saudade de querer te ver. Saudade de estar contigo agora abraçado, deitado, no calor da cama. Beijo saudoso, mordida no chocolate, varias sensações vem a tona. Meu coração acelera, meu pensamento viaja, todo em sua direção. O vento frio do ventilador só aumenta minha vontade de te ter comigo aqui, talvez mais um chocolate diminua minha saudade, ou quem sabe destrambelhe de vez! Te quero aqui comigo agora meu amor. Mais tarde eu vou te telefonar e falar que te amo.

Marcelo Carlos.

quarta-feira, 20 de abril de 2011



“É loucura odiar todas as rosas porque uma te espetou. Entregar todos os teus sonhos porque um deles não se realizou, perder a fé em todas as orações porque em uma não foi atendido, desistir de todos os esforços porque um deles fracassou. É loucura condenar todas as amizades porque uma te traiu, descrer de todo amor porque um deles te foi infiel. É loucura jogar fora todas as chances de ser feliz porque uma tentativa não deu certo. Espero que na tua caminhada não cometas estas loucuras. Lembrando que sempre há uma outra chance, uma outra amizade, um outro amor, uma nova força. Para todo fim, um recomeço.” 

Saint-Exupéry

terça-feira, 19 de abril de 2011



A vida já não corre com tanta pressa, os embalos de sábado a noite com os amigos, bebidas, cigarros, garota. Congelaram! Hoje a calma já atracou no meu cais, não existe mas a vontade de fazer novas amizades, algumas meninas não servem, vai ver o coração ficou mais exigente. A calma hoje já é constante e isso deve ser bom. Eu acho bom! Não sei a que isso se deve, acho que agora eu só quero esperar alguém que goste de coisas chatas (é assim que eu me defino). Por enquanto faço eu fico na varanda esperando meu sol sair , enquanto não sai faço uns bonequinhos de neve e sempre sonhando com dias quentes de verão.

Marcelo Carlos.

segunda-feira, 18 de abril de 2011



"A lua está cheia, algo que me faz pensar em você. Pois sei que não importa o que estou fazendo, e onde estou, esta lua será sempre do mesmo tamanho da sua… do outro lado do mundo. ”

Dear John

domingo, 17 de abril de 2011



Fico pensando às vezes como deve ser bom ligar e dizer "aconteceu algo terrível, sinto que não vou suportar" e ouvir "senta e me espera, to indo agora te ver"

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Tempestade



A lembrança da tua voz é minha companheira nos dias de tempestade, nas horas que lembro, viver é preciso apesar de...
Apesar de tanta coisa ficar perdida, entre os olhares que nunca, n-u-n-c-a mais irão se cruzar. Mas a tua voz fica, e soa, e canta às vezes e eu começo a chover,
a chover,

c
h
o
v
e
r

para dentro de quem um dia fui contigo.


Cáh Morandi.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Nesse momento, estou parecendo uma criança que perdeu seu doce, minha alma grita, implora, mas por quem ? não sei, essa dor é muito grande pra eu pensar em culpados.

Marcelo Carlos.
Enquanto a nostalgia vem a mente, eu volto da cidade vendo a lua me assistir.
Eu sei o meu terminal.

quarta-feira, 13 de abril de 2011


“Nem parece que foi ontem, que o acontecido aconteceu”. É rastros de solidão, eu gosto de chamar assim, porque agora eu me livrei de toda dor, completamente. Isso não significa que eu me curei do mal de amar, isso não, isso nunca, afinal meu amor foi sim verdadeiro, é sim muito verdadeiro, me parece impossível querer deixar de amar (e quem disse que eu quero). Isso tudo me faz lembrar a história de um menino que eu acho que ouvir uma senhora me contar de longe. Aquele menino que por coincidência também usou suas palavras pra conquistar alguém, sim aquele menino que até então não tinha chorado por ninguém, ele não se apaixonou, não,ele amou. Foi intenso, rápido, mais intenso. Até por um momento ele chegou a pensar que suas palavras tinha conquistado a menina, mas não foi assim, por um tempo foi especial pra ele, depois virou companhia e hoje.. (eu não consegui chegar nessa parte, acho que dormir ou sonhei ) enfim, voltando a história do tal menino, ele não pediu pra chorar, nem pra sorrir, isso veio como conseqüência, talvez invertido. Ele nunca pediu pra ser um erro nem nunca esperou ouvir que foi um erro. Eu não lembro de ter ouvido o resto da história (ela não teve fim pra uma das partes) eu acho que posso tentar terminar esse conto... Ele a deixou ir embora, ela mudou-se ,ele não a procurou, ela o procurou, ele não soube aproveitar a procura dela, ela se espantou e fugiu, ele se sente mal até hoje, ela é uma interrogação até hoje, ele tem plena certeza que ama fortemente, ela tem plena certeza que isso tudo é muito bonito, mas não serve pra ela (no momento).

Marcelo Carlos.

terça-feira, 12 de abril de 2011



Eu vou tirar você desse lugar, eu vou levar você pra ficar comigo e não me interessa o que os outros vão pensar!

domingo, 10 de abril de 2011



O que é essa coisa dentro de mim? que me deixa agoniado, essa indecisão, essa incerteza, esse medo. Você parece não querer se entregar, demonstra tá com medo de arriscar em uma coisa que já é certa! Eu sinto que meu silencio mexeu mais em você do que em mim, isso tá evidente, tão quanto seu medo de não se desprender a outro sentimento, isso mexeu comigo também, deu uma reviravolta na minha cabeça, a todo momento foi claro que eu sempre pensei “em nós”.  Isso nem passava na sua cabeça, o jogo sempre foi aberto em nossa “relação”, quase que transparente, eu pude vê alguma coisa nascendo em você, só não consigo decifrar o que exatamente é. Hoje foi mais umas das evidencias que nem eu e nem você fomos equivocados em decisões que ainda nem tomamos. Não deixa o medo atrapalhar o que a gente pode construir, não deixa teu medo atrapalhar sua vida, não deixa o medo atrapalhar nós dois. 

Marcelo Carlos.

sábado, 9 de abril de 2011



Nem sempre temos as palavras a nosso favor, ai bate o desespero, você tenta argumentar, talvez coça a cabeça com um sintoma de nervosismo, as pernas tremulas já não te obedecem, o coração embala um enredo de escola de samba. Quando tudo isso acontece a única coisa que se mantém sereno e calmo, são os nosso olhos, eles respondem qualquer duvida, qualquer pergunta não respondida. Nossos olhos brilhantes, as vezes seco, as vezes inundados por lágrimas. Eles representam todo sentimento do coração, não tem como se enganar com um olhar, quando eles tentam fugir, sempre dão aquela olhada de baixo pra cima. Eu sempre dou ouvidos ao meu olhar e sempre tiro todas a conclusões a partir do olhar ( pelo menos questões do amor ). Olhares também podem conquistar o coração de alguém. Não tem nada mas atraente que aquele olhar fixo, com as pálpebras quase fechadas, é um golpe fatal pro coração. Os olhos, nunca, desmente o que o coração sente.

Marcelo Carlos.


De vez em quando surge um vento mais forte e fecha as janelas pelo lado de fora. Quando acontece, é bobagem tentar brigar com o vento. A gente espera ele esvaziar e reabre as janelas pelo lado de dentro.

sexta-feira, 8 de abril de 2011



O motivo por que te perdôo é porque você não é perfeita. Você é imperfeita, igual a mim. Todos os seres humanos são imperfeitos, até mesmo o homem do lado de fora do meu apartamento que joga lixo na rua. Quando era jovem, eu queria ser outra pessoa, qualquer pessoa, menos eu. Dr. Bernard Hazelhof disse que se eu estivesse em uma ilha deserta, então eu teria que me acostumar comigo mesmo. Só eu, e os cocos. Ele disse que eu teria que aceitar os meus defeitos e tudo mais, e que nós não escolhemos nossos defeitos. Eles são uma parte de nós e temos de viver com eles. Podemos no entanto, escolher nossos amigos, e estou feliz por ter escolhido você.

Max Jerry Horowitz
in Mary and Max

Tu, que subitamente me esqueceste,
diz-me como farei para esquecer-te.

Norberto Ávila.

quinta-feira, 7 de abril de 2011


A vida me ensinou a amar do modo mais difícil que existe: o de ser verdadeiro com a outra pessoa, de não enganar, de mostrar meus reais sentimentos. Nunca fui de ter uma beleza apreciada, sempre fui o menor da turma, o mais nerd, e até um tempo atrás era considerado o “patinho feio”. Aquele que é uma ótima pessoa, ótimo amigo, mas não com beleza suficiente pra ser namorado da garota mais bem vestida da escola. Hoje meus pensamentos mudaram, meus ideais mudaram, eu mudei, e acho que vou continuar mudando, mais e mais. Hoje me visto bem, estou dentro dos padrões de beleza pra minha geração. Não foi só meu cabelo que cresceu, eu também cresci em um todo. Já sei discuti de frente sobre política,preconceito, religião e outras baboseiras que temos que saber hoje em dia. Hoje não sou tão magro, estou até mais forte. Não sei viver sem meu cachos, se me pedem pra cortar, logo fico bravo e entramos em discussões. Isso é bem parecido com o jeito que me envolvo com as pessoas e sentimentos, não sei fingir amor, não sei flertar, não sou bom de conversa, sou de dar voltas e voltas em torno de um assunto, mas em certo ponto sei ser direto e acho que isso me complica. Quando a pessoa menos espera lá vem bombardeios de emoções e palavras. Eu vejo o modo em que exponho meus sentimentos muito complexo, nem todo mundo quer carinho toda hora, nem declarações de amor de minuto a minuto, ninguém tá preparado pra receber um texto emocionado todo dia, ninguém tá preparado pra ganhar amor demais, acho que isso sufoca. Talvez seja o motivo de eu ser um fracasso com amores, essa “mania” de demonstrar que amo a todo instante, de ser carinhoso, querer ver sempre, pra isso as pessoas ainda não estão preparadas. Talvez por isso que sou um fracasso com amores ou será que as pessoas sentem medo de não corresponder a tanto sentimento? sendo que com um simples sorriso, olhar, carinho, beijo, toque, já é uma expressão de amor. Esse alto controle sobre esse sentimento, acho que isso eu nunca terei.

Marcelo Carlos.

Eu estou só.
O gato está só.
As árvores estão sós.
Mas não o só da solidão: o SÓ da solistência.

João Guimarães Rosa.

quarta-feira, 6 de abril de 2011



Não tenha medo da quantidade absurda de carinho que eu quero te fazer. E de eu ser assim e falar tudo na lata. E de eu não fazer charme quando simplesmente não tem como fazer. E de eu te beijar como se a gente tivesse acabado de descobrir o beijo. E de eu ter ido dormir com dor na alma o final de semana inteiro por não saber o quanto posso te tocar. Não tenha medo de eu ser assim tão agora. E desse meu agora ser do tamanho do mundo.


Que esta minha paz e este meu amado silêncio não iludam a ninguém. Não é a paz de uma cidade bombardeada e deserta, nem tampouco a paz compulsória dos cemitérios. Acho-me relativamente feliz, porque nada de exterior me acontece... Mas, em mim, na minha alma, pressinto que vou ter um terremoto! 
E desde quando você acha que sabe melhor de mim, do que eu?
Existem tantas coisas que eu vivi que você nunca viveu.

terça-feira, 5 de abril de 2011

Beijos e Estrelas



Um beijo não acontece sempre, porque um beijo é algo muito perto do milagre, e milagres demoram para se alcançar. Porque não basta fazer promessa, primeiro se deve acreditar, e isso é fé. O beijo é parecido, porque não é só um lábio no outro, duas línguas se tocando, mas sim quando esse encontro acontece e então a gente sente como se todas as estrelas do céu da nossa boca estivessem caindo e derretendo em nossa garganta. Beijos-milagres-estrelas são como aquelas cadentes que a gente vê raras vezes e que se pode fazer um pedido (os milagres que desejamos) enquanto dura o pequeno espaço de sua existência.

Cáh Morand
i.

segunda-feira, 4 de abril de 2011


Não sei se o mundo é bom, mas ele está melhor desde você chegou e perguntou: tem lugar pra mim?


Eu briguei com meu coração. Disse que jogasse o amor antigo fora. Ele deu nó. Coração não entende ordens. De um lado a razão exigindo. De outro o coração tentando. A verdade é que nem tudo sai como o planejado. Mas a gente tenta. Um amigo meu me disse que fica surpreso como eu racionalizo os sentimentos. Eu perguntei se falava de mim. Acho que sofro calado. Mas manter a pose cansa. Cansa ser racional. Cansa enganar o coração. Cansa ser forte. A verdade é que hoje eu vi um livro que você me deu e chorei calado. Porque é feio chorar por amor perdido. Mas… quer saber? Estou com sinusite. E não estou nem aí para escrever bonito. Quero respirar de novo e amar alguém como um dia eu te amei. Alguém aí acredita em segundo amor?


Eu posso ser terra, água, vento, fogo, qualquer elemento. Ser doce, salgado, ácido, mas de natureza meio amargo. Ser sol, chuva, neblina, e ter sempre um tornado guardado caso precise. Ser quente, frio, morno, vai muito do quanto quem me toma merece, ou aguenta. De costume ser ardido, afinal, isso seleciona os paladares. Mas de fim, ser o que sei que não sou ao ponto de me perder procurando, entre tantos eus que espalhei por ai, onde foi que eu largei quem eu sou de verdade...

Do filme: Dear John.

domingo, 3 de abril de 2011



A princípio bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos. Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis. Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema: queremos a piscina olímpica e uma temporada num spa cinco estrelas. E quanto ao amor? Ah, o amor... não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando. Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo.
Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar a luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito. É o que dá ver tanta televisão. Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista.

Mário Quintana.

Olá pra você que veio admirar a beleza cor de mel dos olhos, dos cabelos, da menina. Tão suave que quando fecho os olho pra imaginar ela por completo chego a pensar que estou flutuando. A menina do sorriso bonito tão alvo quanto a cor da sua pele, isso tudo só porque ela ainda mora só no meu pensamento. Fechando os olhos pra escrever esse texto, fechando os olhos pra poder enxerga–la. E não tá fácil ouvir o barulho da sua risada, eu to ouvindo ela pensar: “que texto lindo”. Como ele não seria lindo? Afinal eu to falando sobre você, ora! Eu nunca, mais nunca mesmo falei tão bem de alguém que ainda não conheço, ainda! Porem alguma coisa me ligou a você ou mesmo alguém ou uma rede social, pois é, no mesmo momento em que eu falei de você, você apareceu! Não na minha frente é claro . Não tinha como pensar que alguém não tinha falado algo, mas você disse que não, que foi o “destino” afinal damos o nome que queremos, né mesmo? Linha por linha escrevendo de olhos fechados e olhando pra uma foto sua, por um instante imaginei a sua reação quando lê, não gostei. Melhor não imaginar nada. agora termino como comecei com um “olá” pra quem veio vê o desfile da beleza alva, cor de mel.


Marcelo Carlos.

sábado, 2 de abril de 2011

sexta-feira, 1 de abril de 2011